É no ambiente tenebroso, que as sereias aparecem…

A leitura de "Memórias do Subsolo", de Dostoiévski, nos faz refletir que a sensatez não é algo com grande aderência ao ser humano. Concordo, basta um olhar histórico... Um dos trechos que mais me chamou a atenção foi quando o narrador anônimo descreve sobre a inaptidão do "homem direto e de ação" para uma análise... Continuar Lendo →

Anúncios

Até que ponto um crime se justifica?

Até que ponto um crime se justifica? Está é a reflexão que nos faz pensar Fiodor Dostoiévski em Crime e Castigo, um dos clássicos da literatura universal. Publicada em 1866 e ambientada em São Petersburgo, a obra narra a vida do jovem Rodion Romanovich Raskolnikov, um ex-estudante de direito, que, por ser fiel até as... Continuar Lendo →

Mentiras e verdades….

"Mentir é o único privilégio humano perante todos os organismos. Mentindo é que chega à verdade! Sou homem, por que estou mentindo" . Num momento de embriaguez (lucidez?!), Razumikhin, em Crime e Castigo, nos faz questionar o que realmente mais nos aproxima da realidade: verdades impostas por outros ou mentiras que são de fato nossas?... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑